quarta-feira, 21 de novembro de 2012

"Lendas e Astros"

No dia 20 de novembro, a realidade e a ficção misturaram-se nas Sessões do Planetário, destinadas às turmas do 7º ano, orientadas pelo professor António Torres. A equipa da BE colaborou nesta iniciativa ao contar aos presentes a Lenda de Hércules, que explica a origem das constelações, protogonistas desta inciativa. Assim, foi possível conciliar ciência e literatura.


Lenda de Hércules
Hércules, o filho do deus Zeus/Júpiter e da bela mulher mortal Alcmena, foi o maior dos antigos heróis gregos. Começou a evidenciar a sua grande força física quando ainda era criança, mas, mais importante, reforçou o seu forte carácter de adolescente quando encontrou duas mulheres chamadas Prazer e Virtude.
Prazer prometeu-lhe divertimento, enquanto Virtude lhe prometeu trabalho árduo, mas  também glória, como executante de grandes feitos para ajudar a  humanidade. Escolheu Virtude e foi depois ensinado pelo sábio centauro Chiron.
Os seus feitos incluem eliminar monstros que atormentavam o mundo. Lutou durante 30 dias com Leão de Némea até conseguir matá-lo. Depois destruiu a enorme cobra-d´água com sete cabeças de Lerna, que capturava e comia todos os que se aventurassem a passar perto do seu Pântano.

A cobra foi então atirada ao céu, onde está representada pela constelação da Hidra. Enquanto lutava com a cobra-d´-água, Hércules ainda matou o caranguejo gigante que agora está na esfera celeste com o nome de Caranguejo. Capturou o javali de Erimanto, que destruía as vinhas, e ainda os bois de Gérion, que devastavam a terra.
Hércules continuou o seu trabalho até completar 12 feitos. Vários anos depois foi envenenado por engano com sangue de um centauro. Quando morreu, os deuses levaram-no para o céu, onde pode ser visto como um símbolo de quem se dedicou a ajudar a humanidade, realizando boas acções.


 

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Sessões de formação
"Potencialidades do catálogo coletivo"


No decorrer desta semana, no âmbito do projeto "Literacia da Informação e digital", serão realizadas, na Biblioteca Escolar, sessões de formação sobre as potencialidades do catálogo coletivo da RBCE (Rede de Bibliotecas do Concelho de Esposende), dirigidas a todas as turmas do 8º ano de escolaridade. O catálogo coletivo da RBCE reúne as coleções de todas as bibliotecas do Concelho de Esposende.

 

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

16 de novembro “Dia do Desassossego”

Se José Saramago fosse vivo, faria hoje 90 anos. A Biblioteca Escolar não quis deixar de assinalar esta data com uma pequena exposição sobre a vida e obra do escritor, com especial destaque para Memorial do Convento, cuja 1ª edição foi há, precisamente, 30 anos. A montagem desta exposição contou com a preciosa colaboração dos alunos de Artes – do 12º E – que desenharam um magnífico retrato, bem como algumas caricaturas do escritor.

Em jeito de homenagem ao Prémio Nobel da Literatura, um grupo de alunos do 7ºA cantou os parabéns com uma letra alusiva ao escritor. Depois, foi a vez dos alunos mais crescidos, do 12º A e B, dizerem alguns pensamentos do autor que escrevia "para desassossegar" os seus leitores.









Parabéns a você,

Nesta data querida,

Grande é nossa saudade,

Grande foi tua vida.                              

 
Em novembro, mês onze,

Viu nascer Azinhaga

O menino das letras,

Que o Mundo consagra.

               
Filho da terra lusa,

Mas casou em Espanha,

E viveu numa ilha

Com Pilar, que façanha!                                  

 
Escrever, escreveu,

Mas sem pontuação,

Fá-lo-á o aluno,

Se tiver atenção.

 
Teve prémio Nobel

Teve o prémio Camões,

Já tem livros em filmes,

Sempre foi de paixões.                                     

 
Poesias, romances,

Mais teatros e contos,

Mais viagens, memórias,

Tocou todos os pontos.

 
Viu nascer o convento,

Entre leis, tiranias,

Por promessas e sonhos,

Intenções, utopias.                                            

 
Sete sóis-sete Luas,

Voador, eis Lourenço,

Personagens do livro,

Sofrimento imenso.

 
Ao lembrar seu natal,

Nós, felizes, cantamos

«Parabéns, obrigado»

Tua escrita adoramos.

Letra: Prof. Américo Martins